As drogas e a facilidade com que dominam as novas gerações

Não resta a menor dúvida de que o uso de drogas tem se constituído na atualidade, no fator de maior preocupação das famílias e da sociedade. A facilidade com que ela chega até o jovem tem feito com que cada vez mais cedo a dependência se instale.

No livro – Após a Tempestade, psicografia de Divaldo Franco pelo Espírito Joanna de Ângelis, encontramos a seguinte informação: “Dentre os gravames infelizes que desorganizam a economia social e moral da Terra atual, as drogas alucinógenas ocupam lugar de destaque, em considerando a facilidade com que dominam as gerações novas, estrangulando as esperanças humanas em relação ao futuro”.

Quantos jovens cheios de ideal e de sonhos que se renderam às drogas e nada mais ousaram buscar para si, a não ser o consumo das drogas, mesmo que a custa da criminalidade e da violência. O que tem feito com que muitos dos nossos jovens sejam mortos a cada dia na disputa pelo tráfico, por conta da dívida que não pode ser paga, gerando quadros de miséria e dor, em rostos antes alegres e juvenis e em seus familiares.

O que esperar do futuro se o jovem deixar de sonhar e ir em busca de seus ideais?

“O problema das drogas em nosso século se tornou uma calamidade pública, ceifando milhares de vida e movimentando internacionalmente um dinheiro incalculável. Porém por mais que o governo e a polícia em todos os países combatam traficantes e máfias envolvidas (…), nada será eficaz para lutar contra as drogas, senão a Educação”, diz Dora Incontri.

“Os estabelecimentos de ensino, propriamente do mundo, podem instruir, mas só o instituto da família pode educar. É por essa razão que a Universidade poderá fazer o cidadão, mas somente o lar pode edificar o homem.” Emmanuel

Lembro da minha juventude, em que, a presença materna era muito forte e não nos permitia chegar em casa com qualquer objeto. Fosse a borracha de um lápis, teríamos que devolver ao seu dono. Em nossos dias, jovens que não trabalham chegam em casa com celular, computador e outros objetos e nada lhes é perguntado ou, simplesmente, se aceita a desculpa que é do amigo. Mais dia, menos dias, os pais se deparam com a triste realidade do consumo de drogas, quando os filhos já estão na prática do roubo ou do furto para manter o vício. A droga faz o usuário mentir, roubar, prostituir-se, disfarçar.

“Se um filho não diz por onde anda, suas atitudes, seus gestos e seu corpo podem estar gritando para que seus pais consigam ouvi-lo. Uma pessoa nunca deixa de comunicar o que se passa consigo. Se não for pelas palavras , ela fala pelo comportamento, pelos gestos, expressa pelo corpo.”, diz Pierre Weil, no livro – O Corpo Fala.

“Se és pai ou mãe não penses que o teu lar estará poupado. Observa o comportamento dos filhos, mantém-te atento, cuida deles desde antes da ingerência e do comprometimento nos embalos dos estupefacientes e alucinógenos, em cuja oportunidade podes auxiliá-los e preservá-los. Se, porém, te surpreenderes com o drama que se adentrou no lar, não fujas dele, procurando ignorá-lo em conivência de ingenuidade, nem te rebeles, assumindo atitude hostil. Conversa, esclarece, orienta e assiste os que hajam tornado vítimas, procurando os recursos competentes da Medicina como da Doutrina Espírita, a fim de conseguires a reeducação e a felicidade daqueles que a Lei Divina te confiou para a tua e a ventura deles”, alerta Joanna de Ângelis.

Compartilhe:

Deixe uma resposta