Prioridades. O que são? Onde estão?

Quem com muitas pedras bole, uma na cabeça lhe cai. Diz o provérbio popular.

De certo, quem expressou pela primeira vez esse provérbio, foi atingido por uma dessas pedras e sua reflexão, ainda hoje, nos serve de alerta.

Sempre que nos envolvemos com atividades diversas, nos sobrecarregamos. Na ânsia de tudo realizar, corremos o risco de deixar a margem situações que exigem maior atenção de nossa parte. Reconhecemos que todos os aspectos de nossa vida são importantes e exigem nossa atenção e dedicação, mas, como conciliar de forma a contemplar todas as partes? Daí a necessidade de eleger prioridades.

Prioridade – condição do que é o primeiro em tempo, ordem, dignidade. A partir dessa definição, ficou fácil eleger minhas prioridades.

1º lugar – Família – Sempre e em qualquer momento, minha família terá prioridade. É ela que me da o suporte necessário, que me acolhe em todos os momentos. É nela que se encontram os espíritos com quem devo, em primeiro lugar, fortalecer os laços de carinho e de amor, por isso, sempre e em qualquer momento, optarei para estar com ela. É bem verdade que, quando não me encontrava consciente de que ela vem em primeiro lugar, já a deixei em segundo plano. Uma benção de Deus, minha família!

2º lugar – Trabalho – Suporte para todas as necessidades minhas e da família. Como tal, segue em segundo plano. Por algum tempo, já foi a prioridade maior. É a minha segunda casa e a minha segunda família. É prazeroso, me completa. Sou grata a Deus pela confiança divina em nos favorecer com empréstimo tão valioso.

3º lugar – Atividade na casa espírita – Também um lugar que me reabastece as forças e me oportuniza aprendizados. Profundamente comprometida com a casa espírita Semente Cristã, que ajudei a fundar e que ainda ensaia os primeiros passos. Meu terceiro lar, minha família que se renova a cada dia. A cada dois meses, amplio os laços fraternos com companheiros de outros lares espíritas de diversas cidades, mas, é na casa Semente Cristã o meu compromisso maior.

E, claro, como não poderia deixar de ser, uma nova prioridade surge em minha vida, ocupando o 4º lugar, a realização de um sonho antigo, graduar-me em psicologia. Esse sonho quis se tornar realidade em 2015, quando decidi dar os passos necessários à concretizá-lo. Fiz o ENEM, passei em quase todas as matérias, restando a matemática para o desafio maior. Digo desafio, porque há 35 anos não tenho contato com essa disciplina e tive de encarar o conteúdo do 3º ano, que jamais havia visto. A princípio pensei em desistir, mas, incentivada pela família, fui em busca de um professor particular, que tem me conduzido até aqui, possibilitando a conclusão do meu segundo grau, o que me possibilitará a entrada na faculdade, de vez que as notas do ENEM foram suficientes para a disciplina que almejo.

Como sou reencarnacionista, acredito que essa experiência poderá ser utilizada em outras vivências. Entrar para a faculdade aos 60 anos, talvez não me possibilite largo tempo de experiência, mas, se Deus me permitir concluir esse curso, me darei por satisfeita em poder auxiliar com mais esses conhecimentos.

Como bem disse o saudoso poeta, Rubem Alves:

“Contei meus anos e descobri que terei menos tempo para viver daqui para frente do que já vivi até agora.

Sinto-me como aquele menino que ganhou uma bacia de jabuticabas. As primeiras, ele chupou displicente, mas percebendo que faltavam poucas, rói o caroço.

Já não tenho tempo para lidar com mediocridades.

Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflados.

Inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram, cobiçando seus lugares, talentos e sorte.

Já não tenho tempo para projetos megalomaníacos.

Já não tenho tempo para conversas intermináveis para discutir assuntos inúteis sobre vidas alheias que nem fazem parte da minha.

Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas que, apesar da idade cronológica, são imaturas.

Detesto fazer acareação de desafetos que brigaram pelo majestoso cargo de secretário geral do coral ou semelhante bobagem, seja ela qual for.

Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos, quero a essência, minha alma tem pressa…

Sem muitas jabuticabas na bacia, quero viver ao lado de gente humana, muito humana; que sabe rir de seus tropeços, não se encanta com triunfos, não se considera eleita antes da hora, não foge de sua mortalidade, defende a dignidade dos marginalizados, e deseja tão somente andar ao lado de Deus.

Caminhar perto de coisas e pessoas de verdade, desfrutar desse amor absolutamente sem fraudes, nunca será perda de tempo. O essencial faz a vida valer a pena. Basta o essencial!”

Imagens do Google com adaptações
Compartilhe:

Deixe uma resposta